LOGO-MARCA

notícias

É tempo de investir em qualificação

Data: 10/02/2016

O ano de 2016 já começa com um grande desafio para os brasileiros. A tendência é que o cenário econômico continue difícil devido à crise política e ao desequilíbrio fiscal no âmbito do Governo Federal. É o que informa o Professor Convidado do FGV Management Alivinio Almeida, Prof. Dr. em Economia Aplicada. Para ele, a situação só começará a ser organizada se ou quando essas questões começarem a ser seriamente tratadas. “De qualquer forma, a correção será alongada no tempo e exigirá mudanças de comportamentos e de intenções dos gestores públicos, além dos seus objetivos políticos imediatos”, completa. De acordo com o economista, em momentos de grande desafio, a qualificação é um ativo imprescindível e de alto valor. “O dia a dia mais hostil exige dos gestores elevado conhecimento técnico para orientar o uso dos capitais das empresas e dos empreendedores”, declara.

Será preciso ter os pés no chão em 2016 para transformar em realidade os votos de prosperidade típicos das Festas de Final de Ano. Seja para quem trabalha por conta própria ou para aqueles que têm um emprego com carteira assinada, a qualificação profissional torna-se ainda mais imprescindível para a conquista de bons resultados técnicos, econômicos e financeiros.

Para o professor da Ideal Conveniada FGV Alivinio Almeida, para driblar a crise seránecessário entender bem o ambiente de negócios com o qual se esteja lidando, além de melhorar os relacionamentos e procedimentos de produção. Conforme o especialista, o que é possível aprender com a experiência de países que superaram momentos de crise é que, apesar das disputas políticas naturais, é preciso manter o foco na solução dos problemas sociais e econômicos do País.

 

DEMANDA DE PROFISSIONAIS

O setor de serviços desponta como uma das áreas que oferecem maior demanda de profissionais qualificados no Brasil, de acordo com Almeida. “Por diferentes motivos, bons e ruins, a economia brasileira caminha para a concentração em serviços e é onde está a maior exigência de profissionais e de competências técnicas”, afirma. Segundo o especialista, as atividades de produção não perdem seus espaços, mas tendem a oportunizar vários nichos de serviços que precisam ser preenchidos por profissionais atualizados.

Na opinião do economista, apesar de parecer difícil, o momento atual pode ser visto com certo otimismo. “Estamos melhores preparados para ele porque já o esperávamos. Não estamos mais no campo das surpresas e isso nos dá a chance de responder melhor e, quem sabe, até mais rápido aos desafios que se apresentarem”, alega.

 : Alivinio Almeida é Prof. Dr. em Economia Aplicada, pela USP. Professor Convidado do FGV Management, o economista ministra as disciplinas Economia Empresarial, Empreendedorismo e Desenvolvimento de Negócios, Cenários e Viabilidade Econômica de Projetos.

Compartilhar